segunda-feira, 20 de abril de 2015

NOVOS DESAFIOS MOTIVAM ATLETAS LUSAS NA TEMPORADA 2015

Lusas Comemorando o Penta em cima do São José-SP


O Clube Português é Penta campeã do Brasileiro Adulto feminino, Campeã da Copa do Brasil, Bi campeã da Liga Nordeste, entre outras grandes conquistas, e todos esses torneios serão disputados na temporada 2015 pela equipe lusa.
Porém para o vitorioso elenco rubro verde  dois campeonatos estão fazendo as atletas esfregar as mãos de ansiedade, são eles: COPA DOS CAMPEÕES E LIGA NACIONAL.

A Copa Dos campeões será realizado pela primeira vez e contará com os campeões dos principais torneios nacionais da temporada anterior, e as três primeiras colocadas da liga nacional, o torneio coloca as lusas frente a frente com grandes equipes como, Metodista, Concórdia,Blumenau, Caxias-RS, São José-SP,  e terá cobertura completa do SPORTV.

Já a Liga Nacional é o principal campeonato do handebol Brasileiro e a euforia é ainda maior por fazer literalmente historia, o Clube Português será a primeira equipe do norte- nordeste a participar da competição.

O Elenco:
Repleto de jovens revelações do handebol Pernambucano a equipe Lusa confia muito na força do trabalho de Base do Clube para formar uma mescla com as atletas mais experientes, das jovens atletas Camila Maia e Danielle Silva são alguns dos nomes que compõe o grupo com as velhas conhecidas Carla Sandra, Priscila Annes, Jaqueline Costa, Ingrid Emannuelle,Ana Cecilia, Talita Cibele, Thais Mayara e Viviane Mendonça.

Para um dos destaques da equipe a Armador Central Talita Cibele, esse tem tudo para ser um grande ano para o handebol feminino do Clube Português, "estamos treinando forte e temos tudo para fazer bons campeonatos e dá muito orgulho a todo estado de Pernambuco".

Talita Cibele Armadora Central
As Lusas estão na expectativa da definição da remarcação da Copa do Brasil, que a principio estava marcado para o dia 12 de maio,mais o evento será remarcado por problemas estruturais com a sede(Fortaleza-CE), caso não Aconteça neste mês de Maio, o primeiro desafio deve ser o Campeonato Brasileiro Adulto feminino que vai acontecer em junho na cidade de Manaus.

sexta-feira, 17 de abril de 2015

Morten é indicado pelo quarto ano ao prêmio de melhor técnico do mundo

O título mundial da seleção brasileira feminina de handebol, conquistado em dezembro de 2013, ainda segue rendendo frutos ao técnico dinamarquês Morten Soubak. Pelo quarto ano consecutivo, o treinador radicado no Brasil concorre ao prêmio de melhor técnico do mundo entre as mulheres. Nos dois primeiros anos Morten ficou em segundo lugar na votação feita pela Federação Internacional de Handebol (IHF) e no ano passado a entidade não divulgou oficialmente os vencedores. Morten concorre com o espanhol Jorge Dueñas e o norueguês Thorir Heirgeirsson.
Morten Soubak, handebol (Foto: Cinara Piccolo / Photo&Grafia)Morten Soubak concorre novamente ao prêmio de melhor técnico do mundo (Foto: Cinara Piccolo / Photo&Grafia)
Além do título mundial com a seleção em 2013, Morten também conquistou no ano passado o Torneio Internacional da Espanha com o Brasil, batendo justamente as anfitriãs. Em 2015 o técnico terá pela frente três compromissos com as meninas do Brasil. O time disputa o Pan-Americano de handebol, o Pan-Americano de Toronto, no Canadá, e em dezembro defende o título mundial na Dinamarca.
A escolha de Morten para o prêmio de melhor técnico do mundo corrobora com o bom momento vivido pela modalidade no país. No início do ano, a armadora Duda Amorim foi eleita a melhor jogadora do mundo em 2014. Antes dela, em 2012, Alexandra Nascimento venceu a disputa de melhor atleta do planeta. 
O prêmio de melhor técnico do mundo também irá contemplar o masculino. Os finalistas são Valero Rivera, técnico espanhol que dirige a seleção do Catar, o francês Claude Onesta, atual campeão do mundo pela França, e o sueco Ljubomir Vranjes.

quarta-feira, 1 de abril de 2015

Melhor do mundo será julgado por manipulação de resultados


Nikola Karabatic, Handebol França (Foto: Agência Reutes)Nikola Karabatic pode ficar fora do Rio 2016
(Foto: Agência Reutes)
O cerco se fechou para os irmãos Luka e Nikola Karabatic, da França. Astros da seleção francesa de handebol, os dois e outros seis atletas que jogavam no Montpellier em 2012 será julgados por manipulação de resultado e apostas ilegais e podem pegar até cinco anos de prisão. Além disso, podem ter que pagar multa. Os dois e também Samuel Honrubia, Mladen Bojinovic, Dragan Gagic, Primoz Prost, Issam Tej e Mickael Robin, são suspeitos de participar da manipulação do resultado de uma partida pela liga francesa.

O Montpellier, antigo time de Nikola (hoje ele atua no Barcelona), e o Cesson Sevigné, se enfrentavam. Cesson Sevigné precisava vencer na última rodada para se livrar do rebaixamento. O que acabou acontecendo. Na época, dez jogadores da equipe foram ouvidos pela polícia local.

Advogado de Nikola, Jean-Marc Nguyen Phung garantiu em entrevista à TV ""BFM" que Karabatic sabia e reconheceu ter participado de conversas sobre apostas durante essa partida. Nikola, porém, não participou do jogo, e por isso o advogado acredita que ele não tenha qualquer ligação com o caso, já que apostas em jogos são autorizadas na França.
- Teríamos preferido que as acusações fossem desqualificadas, mas vamos brigar pela absolvição. Na teoria, ele pode ficar preso por até cinco anos e mais uma multa, mas se ele ficasse preso por até meia hora seria um exagero - disse Michael Corbier, outro advogado de Nikola, à agência AP.
Nikola é tricampeão mundial pela França, o último título aconteceu no Catar, em janeiro deste ano. Além disso, ele é bicampeão olímpico e sua seleção está garantida para disputar o tricampeonato no Rio de Janeiro, em 2016.


sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

Duda Amorim ganha prêmio de melhor jogadora do mundo de 2014

O Brasil mais uma vez tem a melhor jogadora de handebol do mundo. Eduarda Amorim venceu a eleição promovida pela Federação Internacional de Handebol (IHF) e foi eleita a número 1 do ano de 2014. O resultado da votação foi divulgado nesta quarta-feira, e a brasileira obteve 35,2% dos votos de fãs e jornalistas. A armadora campeã mundial se tornou a segunda brasileira a conquistar o prêmio. Em 2012, a ponta Alexandra Nascimento também levou o prêmio.
Eduarda Amorim é eleita a melhor jogadora do mundo (Foto: Reprodução/Instagram)Eduarda Amorim é eleita a melhor jogadora do mundo (Foto: Reprodução/Instagram)
- Eu ganhei. Por um dia posso falar que sou a melhor do mundo. Trabalhei muito para isso, mas posso falar que esse resultado também é de vocês (fãs), pela campanha, por todos os votos que vocês deram. É um momento muito feliz da minha carreira. É um momento muito bom também do handebol brasileiro. Tenho que agradecer muito a todas as pessoas que me ajudaram por esse caminho, todos os meus técnicos, a seleção, o COB, todo mundo que deu apoio. Agora acompanhem a seleção. Logo tem Mundial, o Pan e as Olimpíadas - disse Duda.
A armadora, que se recupera em São Paulo de uma cirurgia no joelho esquerdo, concorria com outras quatro atletas, todas eleitas por votação de um júri especializado. Eram elas: a sueca Isabelle Gulldén, a espanhola Marta Mangué, a romena Cristina Neagu e a norueguesa Heidi Loke. As duas última já têm o prêmio no currículo e foram a segunda e a terceira colocadas respectivamente na eleição de 2014. Duda abraçou uma campanha de votos e, assim como Alê em 2012, foi a vencedora - entre os homens, o francês Nikola Karabatic levou o prêmio pela segunda vez.
Duda Amorim faz tratamento do joelho em São Paulo (Foto: Marcos Guerra)Duda Amorim comemora com a mãe Olívia (Foto: Marcos Guerra)
Junto da família, a jogadora que mora e joga na Hungria, já sabe como celebrar. A mãe Olívia prometeu festa em Blumenau, cidade natal da jogadora.
- Vou comemorar. Vai ter uma churrascada. Tem que ter um pouquinho de festa - disse a armadora.
Eleita MVP do Mundial da Sérvia (Jogadora Mais Valiosa), Duda foi peça fundamental para a conquista inédita do título para o Brasil. A armadora já estava acostumada com títulos coletivos e pessoais. Além das conquistas à frente da seleção em 2013, ela se tornou bicampeã da Liga dos Campeões da Europa no ano passado, defendendo o húngaro Gyõri. Duda entrou para a seleção do campeonato continental de clubes na última temporada.
Eduarda Amorim na partida de handebol do Brasil contra Noruega (Foto: AFP)Campeã mundial, Eduarda Amorim é eleita a melhor jogadora do mundo (Foto: AFP)

sexta-feira, 6 de fevereiro de 2015

Catar monta time de naturalizados e gera polemica no mundial masculino de handebol

Rafael Capote foi um dos naturalizados 
O primeiro Campeonato Mundial de esportes olímpicos da temporada terminou no último domingo. A França saiu com o título no handebol masculino, vencendo o Catar na final. Os poloneses ficaram com o bronze, e a Espanha terminou na quarta posição.

O principal assunto ficou por conta do time do Catar, que tem metade dos jogadores naturalizados. No início, achei interessante a equipe, montada para trazer público ao Mundial. Depois, ficou perigoso. A seleção terminou com a medalha de prata e mostrou ao mundo que pode-se comprar uma medalha olímpica. Isso é perigoso. Trazer um ou outro jogador traz evolução e constrói um legado para a modalidade no país, sem "atrapalhar ninguém". Agora, montar um time completo de atletas naturalizados vai contra o conceito de duelo de nações" Por Guilherme Costa"

Independente das opiniões nem sempre positivas sobre a forma que a equipe catare foi montada, o que vai ficar para sempre na historia do mundias de handebol é o vice campeonato histórico para um pais não europeu,Na quadra algumas pequenas ajudas da arbitragem e muita capacidade técnica dos atletas comandados pelo grande técnico Valero Rivera que mostrou toda sua competência e conseguiu chegar a segunda final de mundial consecutiva "em 2013 foi campeão mundial com a Espanha".

quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

FRANÇA É PENTA CAMPEÃ MUNDIAL MASCULINO DE HANDEBOL

Mesmo com nove jogadores naturalizados e sob comando de Valero Rivera, campeão mundial em 2013 pela Espanha, a seleção do Catar não conseguiu superar a tradição do handebol francês na decisão do Mundial do Catar. À frente por praticamente todo o duelo disputado neste domingo, no Lusail Hall, a França, atual campeã europeia e bicampeã olímpica, segurou o ímpeto dos anfitriões, venceu por 25 a 22 e conquistou pela quinta vez o Mundial (1995, 2001, 2009, 2011 e agora 2015). Depois de um segundo tempo bastante pegado, com as duas defesas trabalhando muito forte, os atuais campeões asiáticos se contentaram com o vice-campeonato diante dos próprios torcedores - foi a primeira medalha de um país não europeu na história do torneio - e também festejaram ao fim do jogo.
A França tem dois motivos para comemorar. Além do pentacampeonato mundial, a equipe garantiu um lugar nos Jogos Olímpicos do Rio 2016 com a conquista do título neste domingo. Os franceses se juntam ao Brasil, que já tem a vaga por ser o país-sede das Olimpíadas. Resta definir as outras 10 seleções que vão participar do evento (uma das Américas, uma da Europa, uma da África, uma da Ásia e seis provenientes de três Pré-Olímpicos internacionais).
França é campeã do Mundial do Catar (Foto: EFE)
França celebra o quinto título mundial de handebol (Foto: EFE)
Pelo lado francês, Nikola Karabatic, eleito o melhor jogador do mundo em 2007, foi quem mais balançou a rede (5 vezes) na final. O maior goleador do jogo, porém, foi o sérvio naturalizado catari Zarko Markovic, com sete gols. Ele inclusive foi o vice-artilheiro do Mundial do Catar, anotando 67 gols - o esloveno Dragan Gajic marcou 71. O goleiro Thierry Omeyer e o capitão dos Bleus, Jérôme Fernandez, se tornaram os primeiros jogadores tetracampeões mundiais.
Mais cedo, também no Lusail Hall, a Polônia conquistou a medalha de bronze do Mundial do Catar. Na disputa do 3º lugar contra a Espanha, os poloneses forçaram a prorrogação com um gol nos últimos segundos do tempo regulamentar e então bateram os campeões mundiais de 2013, por 29 a 28.
O jogo
Desde o primeiro segundo de jogo, as torcidas do Catar e da França fizeram um barulho ensurdecedor no Lusail Hall. Os primeiros a comemorarem foram os torcedores da equipe da casa, no gol de Benali e no pênalti defendido por Stojanovic. Passados mais de três minutos de jogo, Nyokas empatou a partida, levantando os adeptos da França, que gritaram com a mesma intensidade que os cataris.
handebol nikola karabatic frança catar mundial (Foto: EFE)Com cinco gols, Karabatic foi o artilheiro da França na final. Markovic fez sete para o Catar (Foto: EFE)
Dentro de quadra, a arbitragem tratou de impedir qualquer crítica em relação a estar ajudando o time da casa. Nas semifinais, os poloneses se revoltaram com os árbitros, que distribuíram cinco vezes a punição de dois minutos contra os europeus e apenas uma contra o Catar.
Agora na final contra a França, a seleção do Catar foi quem sofreu. Pelas sucessivas faltas, o catari Mabrouk levou duas vezes os dois minutos. Depois foi a vez de Capote. Com a vantagem numérica em quadra, os franceses pularam à frente por 9 a 5, com direito a três gols de Nikola Karabatic, o melhor jogador do mundo de 2007. E só não abriram mais gols de frente por conta das defesas de Saric, titular da meta catari. Apenas aos 25 minutos de jogo é que a França foi ter seu primeiro jogador suspenso por dois minutos. E justamente o camisa 13.
Se os franceses chegaram a estar à frente por seis gols (13 a 7), a vantagem diminuiu para 13 a 10 até o retorno de Nikola Karabatic à quadra. A estrela dos Bleus já voltou balançando pela quinta vez a rede de Saric e guiando os Bleus à vitória parcial de 14 a 11 no primeiro tempo. No último lance da etapa, Saric impediu o que seria um belo gol de Porte, numa ponte aérea com Mahe.
O segundo tempo começou quente, com o Catar encostando no placar após dois gols de Mallash. Os franceses ainda se mantinham à frente, apesar do melhor momento dos cataris. O jogo pegou fogo aos sete minutos, quando Nikola e Mabrouk se desentenderam em quadra por causa da marcação apertada do camisa 4. No lance seguinte, Capote tomou pela segunda vez dois minutos de suspensão. No banco, Vidal e Mallash aplaudiam ironicamente a arbitragem, sendo preciso que Valero Rivera interviesse dando uma bronca nos dois pela atitude (18 a 15).
handebol mallash luka karabatic catar frança mundial (Foto: EFE)Partida no segundo tempo foi marcada pela forte marcação das duas seleções (Foto: EFE)
Os cataris ganharam força após a confusão e voltaram a estar a um gol do empate (18 a 17). A cada gol dos anfitriões e a cada defesa de Saric, a torcida local ia à loucura. Os fãs franceses buscavam responder da mesma maneira, comemorando também as defesas de Omeyer, enquanto os Bleus mantinham pelo menos um gol de vantagem no jogo.
Faltando cinco minutos minutos para o fim da partida, a França tinha três gols de frente (24 a 21). Arremessando de longe, como se destacou durante toda a partida, Capote marcou o sexto gol dele no jogo, diminuindo o placar para o Catar. Mas, por mais que os cataris tentassem, a França sempre tinha uma carta na manga. 
Nesse final, assim como nas semifinais contra a Espanha, brilhou a estrela do goleiro Omeyer, pegando um tiro curto de Al-Karbi a um minuto e meio do apito final (25 a 22). Porte ainda fez a festa dos torcedores ao correr na defesa e impedir um último gol catari. A partir daí foi só esperar o cronômetro chegar ao final para os jogadores da França comemorarem o pentacampeonato mundial. Nikola Karabatic ainda resolveu provocar os adversários lhes entregando a bola nos últimos segundos.

quarta-feira, 28 de janeiro de 2015

Mikkel Hansen " O Messi do handebol"

Alto, loiro e talentoso. Aos 27 anos, o dinamarquês Mikkel Hansen é uma das estrelas do handebol mundial. Em quadra, é veloz e tem passe refinado, mas também sabe usar seu porte físico (1,96m e 98kg) para enfrentar as defesas rivais. No Mundial do Catar, Hansen vem fazendo jus ao status de principal estrela do esporte na Dinamarca. Com boas atuações, é considerado há tempos o "Messi do handebol", e ajudou sua equipe a avançar para as quartas de final. Na próxima fase, nesta quarta-feira, às 16h (de Brasília), terá a chance de se vingar da Espanha, algoz na final em 2013, na casa dos rivais.
Perguntado sobre o apelido de Messi do handebol, surgido pela habilidade que desfila nas quadras, o dinamarquês preferiu sair pela tangente e devolveu a pergunta.
- Eu não vou me comparar com nenhum jogador de futebol. Eu sou eu. Eu acho que você tem de falar com as outras pessoas para que elas me descrevam - respondeu Mikkel Hansen.
handebol mikkel hansen dinamarca mundial (Foto: EFE)Camisa 24 e faixa na cabeça: inspirações de Hansen vêm de LeBron James e Kobe Bryant (Foto: EFE)

CONTRATO MILIONÁRIO NO PSG
O armador esquerdo, eleito o melhor do mundo em 2011, também faz sucesso fora da seleção. Contratado pelo francês PSG em 2012, fez o acordo de sua vida. De acordo com a imprensa dinamarquesa, ele recebe cerca de 2 milhões de euros anuais, o que daria R$ 6 milhões/ano ou R$ 500 mil por mês, salário na casa dos principais jogadores em ação no futebol brasileiro. Além disso, arrisca-se como modelo em campanhas internacionais e tem seis patrocinadores pessoais, sendo que duas são empresas multinacionais.
 O que me fascina é o modo como pessoas tão altas podem se movimentar, o show, e como os grandes jogadores aparecem no final e mostram sua classe. De certa forma, dá para se espelhar na autoconfiança deles e dar ao time aquele gás extra para vencer - disse Hansen em entrevista ao tabloide dinamarquês "BT".Hansen é apaixonado por basquete desde 2008. Naquela época, ele atuava pelo Barcelona e passou a admirar o esporte vendo a equipe catalã da modalidade jogar. O interesse cresceu e o encanto foi maior ainda com os astros da NBA,  quando se impressionou ao ver como atletas tão grandes poderiam se movimentar tão rapidamente. Hansen, por exemplo, comprou os ingressos para acompanhar a final olímpica de Londres 2012, com o time dos Estados Unidos em ação. Ele inclusive joga com a camisa 24 em alusão ao número de Kobe Bryant, do Los Angeles Lakers, um de seus ídolos, e também exibe uma faixa na cabeça ao estilo LeBron James, do Cleveland Cavaliers.
Ídolo de um país - Hansen tem status de estrela internacional (Foto: Editoria de Arte)(Foto: Editoria de Arte)

HANDEBOL VEM DE BERÇO
O handebol corre nas veias da família Hansen. Seu pai, Flemming Hansen, foi jogador da seleção da Dinamarca no passado e anotou 240 gols em 120 partidas pela seleção nacional. Além disso, participou dos Jogos Olímpicos de 1984, em Los Angeles, nos Estados Unidos. 

Em um país que respira a modalidade, Mikkel começou cedo, no Virum-Sorgenfri UK. Em 2005, aos 18 anos, foi para o Svendborg, onde ficou até 2008, quando o gigante Barcelona o levou para a Espanha. Entre 2010 e 2012 ele esteve de volta ao país, no Kobenhavn, mas foi seduzido por cifras milionárias para acertar a proposta do Paris Saint-Germain, da França, onde está desde 2012.
Mikkel Hansen no PSG (Foto: Getty)Mikkel Hansen é uma das estrelas do francês PSG (Foto: Getty)


Pela seleção da Dinamarca, Hansen tem 103 jogos e 486 gols. No currículo tem duas pratas nos dois últimos mundiais (2011 e 2013), um ouro no campeonato europeu de 2012, e uma prata no europeu disputado na Dinamarca no ano passado. Falta uma medalha olímpica, que Hansen espera conquistar no Rio de Janeiro, em 2016. O Mundial do Catar classifica o campeão para os Jogos Olímpicos.
- Espero estar lá e experimentar de tudo no Brasil, e certamente é importante ganhar a medalha de ouro. Mas primeiro temos que nos classificar, obviamente. Então eu não fico pensando muito no futuro. Temos um adversário muito criativo na próxima partida aqui (no Mundial do Catar) - comentou Hansen à reportagem do GloboEsporte.com, depois da vitória da Dinamarca, por 30 a 25, sobre a Islândia, nas oitavas de final do Mundial do Catar.
 Mikkel Hansen - Olimpíadas de Londres 2012 - Dinamarca (Foto: Getty Images)Mikkel Hansen foi eleito o melhor jogador do mundo do ano de 2011 (Foto: Getty Images)

terça-feira, 27 de janeiro de 2015

O sonho Acabou! Brasil Perdi para Croácia e dá adeus a Mundial

O Brasil tinha a meta de alcançar as quartas de final no Mundial do Catar ou pelo menos melhorar a 13ª colocação da edição de 2013, na Espanha. Não conseguiu. Parou pela segunda vez consecutiva nas oitavas de final, e novamente por apenas um gol. Do começo ruim contra o Catar até a derrota para a Croácia, no último domingo, a seleção brasileira demonstrou uma melhora considerável de jogo, tanto que o próprio técnico Jordi Ribera avaliou positivamente o desempenho do time, um dos mais jovens da competição, apesar da 16ª colocação geral neste Mundial entre os classificados para as oitavas. Entre erros e acertos, a equipe ganhou cada vez mais confiança e deu mostras de que tem condições de superar as grandes potências do handebol internacional. 
O próximo grande compromisso da seleção brasileira será nos Jogos Pan-Americanos de Toronto 2015, em julho. E, em 2016, as Olimpíadas do Rio de Janeiro. A Confederação Brasileira de Handebol ainda busca realizar em junho a segunda edição do Torneio Quatro Nações, disputado pela primeira vez em novembro do ano passado. O Brasil ficou com o título de forma invicta no campeonato, que contou com a participação de Egito, Argentina e Argélia.- No Mundial da Espanha, tivemos uma melhor classificação. Ok. Mas quando jogamos contra a Alemanha, não teve jogo. Jogamos contra a França, não teve jogo, foi aberto (o placar) com muita facilidade. Aqui não teve um jogo elástico. Jogamos com a Espanha e estávamos dentro do jogo. Jogamos com a Eslovênia, que foi quarto (em 2013), e teve jogo. Jogamos agora com a Croácia, que foi terceiro (em 2013), e ficamos no jogo. Se você olha a evolução, ela existe. Se olhamos a posição, então não cumprimos o objetivo. Mas também é preciso lembrar que por duas edições consecutivas a equipe esteve nas oitavas de final. Nós só não estamos nas quartas de final por detalhes - afirmou Jordi.
PONTO FRACO
Das derrotas que o Brasil teve na primeira fase, ao menos duas poderiam ter sido evitadas se a equipe tivesse conseguido um aproveitamento melhor nas finalizações. Nos dois primeiros jogos pelo Grupo A, contra Catar e Espanha, o aproveitamento foi de menos de 50% (49% e 48% respectivamente). Em toda a primeira fase, o jogo mais crítico foi contra a Eslovênia, quando além dos erros nos arremessos e na afobação nos ataques, a defesa brasileira foi muito mal, evitando que só oito finalizações dos eslovenos se transformassem em gol.
Brasil x Eslovênia handebol (Foto: Thierry Gozzer)Jogo contra a Eslovênia foi o que as finalizações erradas deram mais prejuízo à seleção brasileira (Foto: Thierry Gozzer)
REVELAÇÃO
O Brasil tinha uma das menores médias de idade do Mundial do Catar: 26,1 anos. Menos do que isso só Arábia Saudita (24,4), e Chile e Irã (25,4). Dentre a garotada, formada por nomes como Zé, Teixeira, Valadão e Patrianova, quem mais se destacou na seleção brasileira foi João. O central de 20 anos chegou a ser eleito o melhor jogador da partida na vitória sobre o Chile na primeira fase. Na derrota para a Croácia, foi o artilheiro da equipe, com cinco gols.
- Não foi o resultado que a gente queria, mas agora é levantar a cabeça para os próximos Mundiais - disse João, após a eliminação do Brasil.

GALERIA DE TITULOS

  • TETRA CAMPEÃO BRASILEIRO JUVENIL FEMININO 2014
  • BI CAMPEÃO DA LIGA NORDESTE ADULTO FEMININO 2014
  • HEPTA CAMPEÃO COPA NORDESTE JUVENIL 2014
  • TETRA CAMPEÃO BRASILEIRO ESCOLAR 2014
  • PENTA CAMPEÃO BRASILEIRO ADULTO FEMININO 2014
  • CAMPEÃO BRASILEIRO JUVENIL FEMININO 2013
  • VICE CAMPEÃO BRASILEIRO ADULTO FEMININO 2012
  • VICE CAMPEÃO BRASILEIRO CADETE FEMININO 2012
  • CAMPEÃO BRASILEIRO JUVENIL FEMININO 2011
  • TETRA CAMPEÃO BRASILEIRO ADULTO MASCULINO 2011
  • TETRA CAMPEÃO BRASILEIRO ADULTO FEMININO 2010
  • BI CAMPEÃO BRASILEIRO JUNIOR MASCULINO 2011
  • TRI CAMPEÃO BRASILEIRO ADULTO FEMININO 2009
  • VICE CAMPEÃO JUBS 2009
  • CAMPEÃO COPA NE JUVENIL FEMININO 2009
  • CAMPEÃO DA COPA DO BRASIL FEMININO 2009
  • VICE CAMPEÃO BRASILEIRO JUNIOR MASCULINO 2009
  • CAMPEÃO BRASILEIRO JUNIOR FEMININO 2009
  • CAMPEÃO BRASILEIRO ADULTO MASCULINO 2008
  • BI CAMPEÃO BRASILEIRO ADULTO FEMININO 2008
  • VICE CAMPEÃO BRASILEIRO JUNIOR FEMININO 2008
  • VICE CAMPEÃO BRASILEIRO CADETE FEMININO 2008
  • CAMPEÃO BRASILEIRO ADULTO FEMININO 2007
  • CAMPEÃO BRASILEIRO JUVENIL FEMININO 2007
  • CAMPEÃO BRASILEIRO CADETE 2005
  • VICE CAMPEÃO BRASILEIRO JUVENIL FEMININO 2006
  • CAMPEÃO DA COPA DO BRASIL FEMININO 2009
  • VICE CAMPEÃO BRASILEIRO JUNIOR MASCULINO 2009
  • CAMPEÃO DA COPA DO BRASIL FEMININO 2009
  • VICE CAMPEÃO BRASILEIRO JUNIOR MASCULINO 2009